quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

sábado, 24 de dezembro de 2016



Cadê você ?

Ivone Boechat
  
Onde está aquele menino
que se perdeu
devagarinho
nos caminhos do Natal?
Aquele menino é você,
anônimo,
na palidez da concorrência,
cansado de tanto correr,
correndo atrás do dinheiro,
se esquecendo de viver...
Tire seu nome afinal
dos achados e perdidos,
valorize mais você,
que tal?
refaça conceitos,
reconheça direitos,
arquive os dias falidos,
aí a gente se vê,
feliz da vida,
nesse Natal.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Natal, simplesmente Natal

   Ivone Boechat

A humanidade
amanheceu diferente?
Alguém sonhou
que estava mais temente?
Os surdos espirituais
juntaram-se aos cegos sociais
para fazer estrondosa manifestação
em prol do amor?
Ah! Então hoje é  Natal;
quem desejou o mal,
não deseja mais,
quem abandonou,
foi buscar filhos e pais;
aquele que odiou
se blindou do mal,
está neste momento,
sem nenhuma dor moral,
acaba de prometer a si mesmo
e aos demais,
que ao invés de ostentação,
vai dobrar os joelhos,
promover ação,
daqui pra frente,
seguir os conselhos
e cuidar da fé,
receber, definitivamente,

Jesus no coração 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Bora

Bora
Ivone Boechat

Entre nesse trem do sonho,
sem banco de lamentos,
sem cobrador,
enxugue o suor
para embarcar
risonho,
a passagem
foi paga
com vale
sofrimentos,
até chegar
à estação do amor!


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Quando chega o Natal



Quando chega o Natal

Ivone Boechat

Quando ressoam
os primeiros acordes
da festa de Natal,
uma saudade acorda
os corações da humanidade;
parece que o livro da vida foi aberto
lá na introdução da história
que ficou bem longe,
vultos e personagens
desfilam na memória,
ressurgindo vivos, latentes,
num caminho de luz;
muitos de nossos pais
já se foram,
mas  deixaram
marcado no calendário
a data  simbólica do aniversário
e a doce missão  de  abraçar
JESUS.


terça-feira, 6 de dezembro de 2016

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Sinos do Natal


Sinos do Natal

Ivone Boechat

Tocam os sinos da
solidariedade,
os acordes da esperança
começaram a vibrar!
O aroma da promessa de Deus
está exalando no caminho
dos homens de boa vontade,
o amor pediu licença
pra chegar;
estende a sua mão,
alcance os aflitos,
veja quantos sofrem
com súplicas no olhar,
dobra os joelhos,
tempo de fé,
não esqueça de se levantar

para atender os gritos.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Amanhecer



Amanhecer

Ivone Boechat 

Levanta a cortina
dos teus olhos,
contempla a maravilha
do teu lindo amanhecer,
a vida é uma criança,
esperta, bonita, inteligente,
passa correndo, é preciso ver...
Acredita, enquanto há tempo:        
não existe dor sem alento
nem tristeza tão longe da alegria,
quando a luz de cada dia,
acende a vida,
iluminando o amanhecer
não vacile, toma posse
da imensa alegria de viver.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Andorinhas


Andorinhas

Ivone Boechat

Andorinhas
sobrevoam
espaço fugidio,
levando
conforto e carinho,
ao arrepio
da solidão...
procuram
lugar seguro
para o ninho,
abraçam
outra andorinha
pra fazer

verão.

Criança


Criança

Ivone Boechat
  
Toda criança
é semente de paz ou de guerra,
é preciso adubar a terra
dos canteiros do
sonho infantil;
afastada da educação,
cuidado, perigo:
a criança deve
aprender
o verdadeiro significado
da palavra amigo,
a separar o joio do trigo,
a lutar e vencer;
as crianças são projetos seus...
jamais se esqueçam de estar perto,
nenhuma vida dá certo,
quando afastada de Deus.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Preste atenção


 photo LAFLORDEISI.gif

Preste atenção

Ivone Boechat


Não jogue vida fora,
como se viver fosse sacrifício,
nem deixe a oportunidade
cair no despenhadeiro;
tempo não perdoa
desperdício,
recompensa
não se bota fora;
tudo é relativo e passageiro...
na hora de ir embora,
pensa:
viver não é ofensa,
artifício
nem miragem;
tem que marcar presença,
deixar rastro de bondade,

no tapete da coragem.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

 
Lute

Ivone Boechat


Vá à luta, mulher,
não viva a vida toda
“pensando na morte da bezerra”,
como dizia minha avó,
vá agora,
sacode a poeira,
corre na frente,
sacode o pó;
nas decepções
de qualquer asneira
que embaçou o sonho
de suas orações,
abre  o olho,  vê saída,
desembaraça o caminho
que impediu o carinho
das surpresas da vida
pra você.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

quinta-feira, 27 de outubro de 2016



Amigo ou inimigo
         
             Ivone Boechat

Meu melhor amigo sou eu,
meu pior inimigo sou eu também,
quando me coloco rainha no apogeu
ou me rebaixo a ninguém.

Meu melhor amigo sou eu,
meu pior inimigo sou eu também,
quando me perdoo por faltas que convém
ou penso que a esperança já morreu.

Meu melhor amigo sou eu,
meu pior inimigo sou eu também,
quando vivo sinceramente  o que deu
ou me anulo, pra tudo digo amém.

terça-feira, 18 de outubro de 2016


Amanhecer

Ivone Boechat

Levanta a cortina
dos teus olhos,
contempla a maravilha
do teu lindo amanhecer,
a vida é uma criança,
esperta, bonita, inteligente,
passa correndo, é preciso ver...
Acredita, enquanto há tempo:        
não existe dor sem alento
nem tristeza tão longe da alegria,
quando a luz de cada dia,
acende a vida,
iluminando o amanhecer
não vacile, toma posse

da imensa alegria de viver.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016


Cadeira: 70 
Acadêmica: Ivone Boechat
Patrono: Cecília Meirelles




A mulher da Era pós moderna

                   
                   A mulher da Era pós moderna

                                              Ivone Boechat


A mulher da Era-pós moderna deve aparecer nos editoriais “completamente desnuda de vulgaridade e totalmente vestida de inteligência”. Sua elegância se fará notar pela suavidade dos adereços. Na boca, um precioso implante de palavras que desviem o furor. Cílios nada postiços, capazes de filtrar o excesso de pó que pulverizam na vida das pessoas e uma lente de contato para enxergar as qualidades do próximo. Nos cabelos, condicionadores que amaciem o afago das mãos que se apressem a moderar, acalmar, abrigar.

A mulher deve se preparar para ser modelo. Só pisar nas passarelas da vida, sob as luzes do flash da simpatia! Para manter a forma, uma dieta diferenciada. Evitar os frutos amargos que se colhem nos canteiros do ressentimento, nunca se afogar numa sopa de mágoa, regada a disse me disse, nem pensar em se viciar na overdose da desgraça alheia.

Toda noite, a mulher pós-moderna tem o cuidado de limpar do rosto as teias da decepção daquele dia e espalhar muita alegria em volta dos olhos, da boca, áreas mais afetadas pela desidratação que a tristeza provoca!  A reposição hormonal do amor, da fé, da misericórdia e da compaixão é feita em alta dosagem, porque já se provou cientificamente que o único efeito colateral que provoca é a manifestação de bondade.

A mulher pós-moderna não pode se descuidar de suas mãos. Ela tem nos dedos a aliança de compromisso com a dor alheia.  Na bolsa, uma cartela de pílulas da felicidade e também não podem faltar moedas para facilitar o troco: ofensa se troca pelo perdão. Afinal, ela só anda na última moda, moda e mudança são palavras irmãs. Roupa de marca é roupa que marca a sua presença nas rodas sociais, pela discrição e dignidade.

A mulher pós-moderna não é pesada no self-service cultural, como uma salada de frutas: melão, melancia, morango; ela é louvada e reconhecida no jardim da família pelo nome das flores que ajudou a plantar: mulher margarida, mulher rosa, mulher violeta, mulher hortência, mulher-amor-perfeito.

A mulher pós-moderna é embaixadora da paz. É vigilante pertinaz da preservação da vida!  A plástica de sua beleza interior não perde a validade. Seu corpo espiritual se reabastece nos mananciais da fé.


E todos os teus filhos serão ensinados do SENHOR; e a paz de teus filhos será muito grande.” Is 54:13




quinta-feira, 13 de outubro de 2016



Se você é capaz de

Ivone Boechat


Despojar-se das vaidades passageiras da vida, vestir a túnica da humildade, calçar a sandália do pescador, comer com ele,  identificar-se com as expectativas do povo, a exemplo do que fez o Senhor Jesus e estar disposto a:

             Sensibilizar-se com a dor e as dificuldades do próximo;
               Repartir alegrias, multiplicar o amor;
                  Compreender erros e oferecer soluções;
                     Deixar o rastro das pegadas marcadas pela fé, em qualquer  
                        caminho;
                        Demonstrar serenidade nas atitudes e sabedoria
                           capaz para ser recebido em todas as moradas;
                            Crer no milagre do amor e na ressurreição da esperança;
                               Identificar-se com aqueles que baterem na sua porta no
                                  dia da angústia;
                                    Ser paciente;
                                      Estar sempre pronto a recomeçar:
                                         Cumprir com seus deveres de professor;
                                           Ser honesto nas propostas e propósitos;
                                            
   Então, assuma a mais nobre posição que o ser humano é capaz de alcançar:
                                
                                      Você é educador!

                                                                      Ivone Boechat

sábado, 8 de outubro de 2016


O que é educar?

 Ivone Boechat

O que é educar?
Extrair do interior da alma
a preciosa essência
que vai se descobrindo
na raiz do amor?
O que é educar?
ensinar, disciplinar, instruir,
aprimorar o bem?
Educar é
esculpir a rocha das vontades,
fazer resplandecer
o homem purificado,
refinado,
ser capaz de ajudar
a construir alguém ?
Educar é síntese
de tudo isto
harmonizado,
dar o visto
no advir,
ser avalista,
ajudar a prosseguir
no caminho do bem.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

segunda-feira, 26 de setembro de 2016


UNICAMP


Palestra –A Arte de viver a maturidade - Ivone Boechat

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Monólogo da árvore




Fui gerada no útero de uma pequenina semente.
Vim ao mundo com a missão de preservar a vida coletiva!
Minha família é muito grande: todos os seres que habitam o Planeta.
Como todo ser vivo, respiro, sinto e percebo fluidos ao meu redor.
Preciso de oxigênio e de muito amor para oferecer abrigo e conforto à Natureza.
Meu crescimento vai depender da espécie, da região, do tamanho do espaço onde me plantarem, do respeito.
Busco desesperada pela luz do sol, me entorto, me estico se precisar, passo por cima de tudo para sobreviver.
Quantas vezes você me corta,
porque estou feia, gorda, velha, incomodando...
não estou produzindo. Você cuida de mim?
Tudo é desculpa para me derrubar...
As árvores são discriminadas! Aquelas floridas,
perfumadas, altaneiras são mais cortejadas.
Lembre-se de que todos precisam de mim...ah! os passarinhos precisam
das árvores, porque ali habitam, cantam, seduzem, fazem os ninhos.
Ajude a lutar por mim.
Cada árvore que se corta é um atentado à própria vida.


Ivone Boechat

sábado, 17 de setembro de 2016


Primavera

         Ivone Boechat

Palmeiras e coqueiros
arrepiados pelo vento
enfeitando o mar,
violetas, jasmins, papoulas e rosas,
perfumes e cores pelos canteiros
de qualquer lugar;
a natureza se ajeita,
na sinfonia do verde,
enfeita de primavera,
pede paz,
busca o carinho da brisa,
o conforto da esperança,
põe nas mãos da criança
todas as flores que faz,
serenamente avisa
que a festa vai começar,
abre a porta dos ninhos,
pede aos passarinhos
pra cantar.

sábado, 10 de setembro de 2016

A Pátria




                                  A Pátria
                                            Ivone Boechat


A Pátria não é o imenso território, nem o ofertório de flores que a Natureza deposita diariamente aos pés do Senhor; não são os rios escandalosamente grandes e lindos que saem por aí dando show de beleza e esplendor;
nem tampouco as  montanhas e vales nada tímidos que se escancaram de amor e  se declaram publicamente, sem pudor!

A Pátria tem o suave perfume do auriverde pendão da minha terra,
estandarte, cantado em prosa e verso, abençoado, consagrado e beijado por milhões de brasileiros...

Minha Pátria parece uma menina sem juízo: cresceu, apareceu, brilhou e
se esqueceu de se comportar com civismo e se vestir dignamente com a grandeza da potência de todos os primeiros mundos...

A Pátria sai, às vezes, de sapato nada alto, enrolada num manto bordado de democracia, gritando feito louca, sacudindo os chocalhos da dominação...
com essa cara de  viciada em berço esplendido, essa menina-Pátria sabe plantar, colher  e comer sozinha, já é adulta, contudo, não perdeu ainda a mania de ganhar comida na boca.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Pai


Pai

Ivone Boechat

Pai é anjo
a serviço do céu
na vida dos filhos,
sem direito a descanso
na missão;
luta, noite e dia,
orando, provendo,
protegendo,
depois fica de plantão,
incentivando, socorrendo
carências,
amando, perdoando;
na correria,
vai aonde você não vai,
substitui ausências,
deixa na sombra do exemplo

a saudade do pai.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016







Perdoe seu filho

                             Ivone Boechat

Quem amou o pai como devia,
ou quem, em vida, o reconheceu
anjo da guarda
e sua importância,
durante o  longo trecho da via
na jornada?
Quem abraçou o pai, como podia,
do seu jeito,
ou quem demonstrou a ele
o grande amor que merecia,
quando o amparava
com a própria mão,
no dia-a-dia?
Seja então o pai quase perfeito,
perdoe seus filhos pelos erros

de omissão!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Image du Blog gigi54300.centerblog.net
Homenagem ao meu pai
Ivone Boechat

Recebe esta homenagem
sincera e linda
para perfumar, com imenso carinho,
a sua memória,
meu pai;
é um gesto especial
para rever ainda
as marcas de luta no caminho,
na construção de sua linda
história;
não foi herança de riqueza,
troféus, medalhas frias,
nome de rua,
homenagens, reconhecimento
que o destacaram,
é a beleza
de sua biografia
acesa num caminho de luz...
seu nome estará sempre
registrado pela obra,
grandiosa obra,
que honra, transcende, ilumina
por onde o senhor passou,
levando a cruz.

domingo, 31 de julho de 2016





Meu pai

       Ivone Boechat

Gosto de rever
a imagem forte do meu pai,
tremendo o assoalho
ao caminhar.
É doce me lembrar
como se temia
quando ele perdia
a abotoadura,
o guarda-chuva,
a chave de fenda!
Hoje é lenda
a figura enigmática,
a disciplina dura,
a rotina sistemática.
Pai não morre,
corre na frente
pra levantar o segredo do véu
e guardar pra gente
o lugar mais estrelado do céu.
Amanhecer 3a.edição Reproarte 2004 RJ

terça-feira, 26 de julho de 2016



Ser jovem

Ivone Boechat

Ser jovem é estar iniciando todo dia um novo caminho de qualquer jornada
que fora interrompido pelo desânimo;
estar comprometido com a renovação é sinal de juventude.
Ser jovem, sem fazer da juventude uma desculpa para cobrir erros,
mas sim procurando em cada passo o compasso da alegria.
Ser jovem e não se importar com as limitações do tempo,
 toda hora é tempo de convencer;
cada minuto gasto indevidamente é perda,
porém nunca se deixar vencer pelo fracasso e renovar-se.
Ser jovem e não ser fraco, jamais pensar em copiar a experiência do outro;
investir sempre nas próprias oportunidades para construir a vida, assumindo riscos.
Ser jovem e não ser louco de se firmar em idéias extremistas que levarão à incerteza;
correr ao encontro das ternuras e não ter medo de usar a força pelo amor.
Ser forte e não ser violento.
Ser jovem e ser prudente, ser inteligente para saber calar,
quando silêncio for importante para a felicidade de alguém;
ser capaz de dominar impulsos de ódio ou tristeza
para reconstruir na cinza de alguma desventura o alicerce de um novo tempo.
Ser jovem é amar, acreditando infinitamente no milagre do amor,
corrigindo aquelas atitudes que desafinam a serenidade,
isolam o homem e o deprime.
Ser jovem é ter sensibilidade para entender os que cumpriram a profecia do destino
e vieram antes plantando caminhos e futuros;
ser jovem é ser justo e compreensivo na correção da nova proposta.
Ser jovem é interpretar o mistério do envelhecimento como processo de mutação,
aperfeiçoamento para seguir na direção da imortalidade, do infinito, do espiritual,
despojando-se das vaidades desse estágio passageiro,
revestindo-se da luminosa sabedoria que só o tempo concede.


Publicado na 1ª.edição.do livro Por uma Escola humana editora Freitas Bastos, pág.160-RJ 1987